a usina é um espaço dedicado a profissionais interativos e centraliza tudo que eu, rené de paula jr, produzo sem parar em videos, podcasts, artigos e palestras

Dicionário baratinho para mobrais em lingua inglesa (como eu)

Share
Nunca pude fazer um curso para aprender inglês “de verdade”. Mas os textos de trabalho eu consigo compreender tranqí¼ilamente. Não teria conseguido me manter na profissão se não tivesse adquirido essa habilidade meio que “na marra”, já que não fiz intercâmbio nem curso de inglês.

Hoje me deparei com um termo prosaico para a maioria dos radianos, mas que eu não sabia o que significava. O termo era cardboard box. Que diabos mais exatamente seria isso?

Nesse tipo de situação e na falta de um dicionário de papel aqui na minha mesa, usava a palavra chave “define” no Google. Achava isso legal, mas acabei enchendo o saco por um tempo. Vejamos porquê:

Digitei no google a sentença:

define:cardboard

Olha o resultado que o Google entrega:

Definitions of cardboard on the Web:

* Paper product made of unbleached craft paper, with two heavy outer layers and a wavy inner layer to provide strength.

Olhando a definição acima, tem que ter uma boa abstração para entender o que ela tinha a dizer. Mas o Tico e o Teco estavam dispostos nessa manhã de sexta, e tiveram condições de inferir que cardboard box era nada mais do que uma caixa de papelão mesmo.

Solução mais simples: Google Images

Em alternativa ao define, experimentei na doida digitar as palavras “cardboard box” no Google Images. Dos dezoito thumbnails mostrados na tela, todos eles eram fotos de caixas de papelão. Bingo! Mais simples, né? Se tivesse feito isso já de cara, o Teco resolveria sozinho e de maneira muito mais rápida. Vejam o resultado da pesquisa por cardboard box no Google Images.

Tomara que essa forma de uso dessa ferramenta seja útil para alguém =). Abraços….

entrevista com Luiz Telles

Share
pelo que sei, o primeiro samba gravado foi “pelo telefone”, no tempo em que vitrola era a corda. décadas depois, o que você ouve aqui são entrevistas curtas por telefone com gente que tem muito o que dizer.
elas têm tanto a dizer que o jeito foi usar uma ficha só, e o tempo que temos é de três minutos contados.

inaugurando o orelhão radinho, a primeira de uma série de entrevistas que podem dar alguma luz para seu futuro profissional.

ou não. 😀

o primeiro entrevistado é Luiz Telles, ex-diretor de marketing e de criação do Submarino, ex-Wunderman, ex-kropki, ex-usina… que conta pra gente um pouco de sua experiência recente como cliente ponto.com.

pelo que sei, o primeiro samba gravado foi "pelo telefone", no tempo em que vitrola era a corda. décadas depois, o que você ouve aqui são entrevistas curtas por telefone com gente que tem muito o que dizer. elas têm tanto a dizer que o jeito foi usar uma ficha só, e o tempo que temos é de três minutos contados.

inaugurando o orelhão radinho, a primeira de uma série de entrevistas que podem dar alguma luz para seu futuro profissional.

ou não. 😀

Aqui está a entrevista na íntegra, uncut.

talento, inteligência, franqueza pelo telefone. isso dá samba.

entrevistas com Rodrigo Telles e Thaisa Blanski

Share

para montarmos um painel (ou patchwork, ou puzzle mesmo) do nosso ofí­cio, entrevistei mais duas grandes figuras: uma de produtora, outra de cliente brick & mortar.

Thaisa Blanski trabalhou em agências de publicidade, foi atendimento da AgênciaClick e hoje está na área de e-business da Multibrás, respondendo pelos sites da Brastemp. Uma combinação de experiências tão rica e saborosa quanto seu sotaque meio gaúcho, meio paranaense meio paulista. noves fora, zero. Ouça a moça.

Rodrigo Telles seguiu outro caminho: foi produtora desde os primórdios , passou por agência e hoje é dono da web80. Ele conta aqui pra gente como é trabalhar em parceria com agências maiores e também caminhar com as próprias pernas.

entrevista com Mauro Cavaletti

Share
sol em sampa, sol em Nova York.
aqui rené, lá Mauro Cavaletti. “Lá”, aliás, por três anos e tanto, trabalhando inicialmente na Starmedia e hoje na RGA.

foram quase 15 minutos de bate-papo em pleno domingão. tenho certeza que vocês também vão gostar.

Mauro contou um pouco da sua carreira, da sua adaptação lá fora, do trabalho com a IBM. Faltou falar um monnnte de coisas: o trabalho na Suécia com a Ericsonn, os três meses na Bauhaus na Alemanha… mas ele prometeu que depois conta 🙂

espero que o áudio esteja razoável. clique aqui para ouvir .

entrevista com Marcelo Godoy

Share

taí­ alguém com uma história boa pra contar. histórias, aliás: a de um novo começo e uma bela história profissional. na linha, Marcelo Godoy

(Marcelo Godoy, te agradeço. com a nossa conversa de ontem eu percebi que limitar o "orelhão radinho" a meros três minutos é um desatino. )

aqui está nossa conversa: mais de doze minutos, uncut. ouça Marcelo Godoy