internet tête-à-tête
artigos de rené de paula jr.






em paralelo:

usina
power to the people

solo
fotoblog

2 ou 3 coisas
ficção

galeria de fotos
digitais e químicas

radinho de pilha
comunidade

o autor



As time goes by
(you must remember this)

Durante um bom tempo tive um chaveiro em forma de tubarão. Era bonito o chaveiro. Perdi-o, e nem pensei em comprar outro igual. Não queria mal-entendidos. Afinal, ele representava para mim o contrário exato do que podia parecer. Eu tinha um tubarão comigo para lembrar-me sempre do que não somos.

Tubarões são uma estratégia levada ao extremo, ao seu ponto de perfeição. Essa máquina complexa é a tradução em órgãos do verbo caçar. E ponto. Nada nele é supérfluo, nada é desvio. O tubarão é tubarão até as ùltimas consequências, até a ponta de sua cauda. Enquanto o oceano for oceano ele será tubarão, como vem sendo há milhões de anos.

No nosso design o conceito foi outro, revolucionário. Nada de garras ou couraças, mas sim o dom de inventar modos de ser. Falando chinês ou sueco, usando gravata ou quimono, pelados ou de farda, os humanos criaram mundos à sua imagem. Somos plásticos.

Pero no mucho.

Há um mamífero muito peculiar dentro de nós. É ele que nos faz criar "tribos", que nos faz definir e defender territórios e que nos impele a amar. Foi agindo assim que esse animal sobreviveu a tudo, e nos trouxe até aqui. Ele só sabe ser feliz assim. Contrarie esses impulsos e veja nascer uma fera.

A cidade está aí para provar isso. Aguce os ouvidos e ouça bestas rugindo.

Criamos agora um mundo virtual, etéreo, impalpável, incorpóreo. E - ironia máxima - os mamíferos estão adorando.

Não há porque ser defensivo quando mal se pode falar de territórios. Ninguém é estrangeiro onde todos são estrangeiros. Quando todos têm a mesma força e voz, não há como intimidar. A noção de sujeito implode e o mamífero aplaude.

Preste atenção no seu corpo. Você vê garras? Espinhos? Escamas? Não. Sua pele é lisa, fina, suas mãos são hábeis, e seu coração não quer ficar vazio.

Seja mais mamífero, mesmo que virtualmente. É o primeiro passo para deixar de ser besta.

Minha dica da semana é o site Last Word, onde a dúvida de um é lição para todos, e onde ninguém tem a última palavra.




leia também:
envie esse artigo para um amigo!
 


rené de paula jr
[email protected]